CHÂTEAU PAPE CLÉMENT

17/03/2013 14:24
 

Com a escolha do novo Papa Francisco, nós apaixonados pela gastronomia, tivemos a mesma ideia: escrever sobre o vinho Chateauneuf du Pape.

Mas vou ser um pouco diferente e escrever sobre os sete séculos de história do Château Pape Clément, localizado em Pessac, a sudoeste de Bordeaux, na França, que pertenceu ao famoso Papa Clemente V. 

Bertrand de Goth, nasceu em 1264 e em 1295 foi designado Bispo de Comminges até 1299, quando foi nomeado Arcebispo de Bordeaux, pelo seu irmão Berald. Apesar de ter recebido a propriedade para ser utilizada como sua residência privada, em 1300 inicia o vinhedo com uma produção limitada para uso exclusivo da arquidiocese.

Nomeado em 1305 pelo conclave para suceder Bento XI, se torna papa adotando o nome de Clemente V e transfere, em 1306, ao seu sucessor como arcebispo, o cardeal Arnaud de Canteloup Bertrand, permanecendo na posse dos clérigos de Bordeaux até a Revolução Francesa, quase cinco séculos depois, quando foi confiscada e caiu em domínio público.

Após a Revolução, uma sucessão de proprietários supervisionou o desenvolvimento da propriedade como uma empresa comercial. 

 Através de Jean- Baptiste Clerc, de 1858 até a sua morte pouco antes de 1880, os vinhos da Pape-Clément alcançaram excelente qualidade arrebatando vários prêmios das sociedades agrícolas .

Os proprietários posteriores, incluindo um inglês chamado Maxwell, negligenciou a propriedade e viveu tempos difíceis, com o advento da philoxera e a devastação de granizo em 1937, além do início da Segunda Guerra Mundial e as aproximações dos subúrbios de Bordeaux.

A propriedade foi finalmente renovada com a posse do vigneron e poeta Paul Montagne em 1939, com a necessidade de reconstituir as vinhas a partir do zero, sendo que os resultados de melhoria não foram observadas até 1949. Depois de ter contratado os serviços do grande enólogo Émile Peynaud , os vinhos da Pape-Clément obtiveram cada vez mais sucesso, e foi descrito por David Peppercorn como a vinha mais importante de Pessac-Talence, atrás de Haut-Brion e La Mission.

Após a morte de Paul Montagne em 94, seu filho Théo Montagne assume o controle do vinhedo em parceria com Bernard Magrez , proprietário do Château La Tour Carnet. 

O castelo foi restaurado, com a ajuda de enólogo Michel Rolland, e esforços consideráveis ​​foram implantados para melhorar a qualidade dos vinhos.

Atualmente o Château Pape Clément está entre os Grands Crus Classés franceses e a sua 700ª vindima ocorreu em 2006.  

A área plantada é de 32,5 hectares, dos quais 30 estão com 60% de ​​Cabernet Sauvignon e 40% de Merlot . As demais são cultivadas com variedades brancas de Sauvignon Blanc (45%),  Sémillon (45%) e Muscadelle (10%).

Hoje, o Grand Vin é geralmente composto de 2/3 de Cabernet Sauvignon e 1/3 de Merlot, sendo envelhecido em barris de carvalho (quase 50% de carvalho novo) por um período mínimo de 14 meses. O vinho branco normalmente é composto por quantidades iguais de Sauvignon Blanc e Semillon, dependendo do vintage.

As anos das melhores safras de Château Pape Clément são: 2009, 2008, 2006, 2005 , 2004, 2003, 2002, 2001, 2000, 1998, 1996, 1995, 1990, 1988, 1986, 1985, 1975, 1964, 1961, 1959, 1953, 1949, 1947, 1945

As informações acima foram retiradas e adaptadas de uma ampla pesquisa que fiz em sites que tratam do assunto, como wikipedia e avis-vin.lefigaro.fr.

Tenho uma garrafinha para beber num dia muito especial ....